Follow by Email

quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

YELLOW ME


ALGUNS MICOS DA VIDA SÃO PAGOS SIMPLESMENTE POR QUE DEVEM SER :)
Débora Souza 28.01.10

sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Ninguém escreveu

Ninguém escreveu minha vida. Meus passos errados são meus. Minha mãe me colocou no mundo e o próprio me perdeu. Querem mandar na minha vida. Pode tentar, o problema é seu. Ditar regras não muda nada. Eu quebro regras. Meu mundo é meu.


Débora Souza 22.01.10

segunda-feira, 11 de janeiro de 2010

Interrogação

Eu sou aquela que não ve sentido nas pessoas que não se importam com as outras e todo santo começo de ano eu tento começar a não me importar com quem não se importa. Eu não consigo.


Eu sou aquela que odeia inverno e anda de pantufa no verão.


Eu sou aquela que todos acham a mais normal do mundo e me sinto a ovelha negra de todos os lugares. Meus pensamentos sempre são diferentes e eu prefiro não comentar.


Eu sou aquela que consegue cair da bóia no tobogã. Aquela que teve que descer a pé da montanha russa porque a roda quebrou. Aquela que quase se afoga em uma piscina infantil. Aquela que é mais míope que a própria avó e sai sem óculos por ai, comprimentando quem nunca viu.


A antipática mais simpática. A anti-social mais sociável. A mala mais bolsa. A que gosta de caminhar de salto alto. A que anota tudo e não lembra de nada. A séria mais sorridente. A intelectual que nunca estuda. A cara de brava mais debochada.



Débora Souza 11.01.10

terça-feira, 5 de janeiro de 2010

CENOURA, OVO OU CAFÉ?

Uma filha se queixou a seu pai sobre sua vida e de como as coisas estavam tão difíceis para ela. Ela já não sabia mais o que fazer, queria desistir. Estava cansada de lutar e combater. Parecia que assim que um problema estava resolvido um outro surgia.

Seu pai, "um chef", levou-a até a cozinha dele. Encheu três panelas com água e colocou cada uma delas em fogo alto. Logo as panelas começaram a ferver. Em uma ele colocou cenouras, em outra colocou ovos e, na ultima pó de café. Deixou que tudo fervesse, sem dizer uma palavra.

A filha deu um suspiro e esperou impacientemente, imaginando o que ele estaria fazendo. Cerca de vinte minutos depois, ele apagou as bocas de gás. Pescou as cenouras e as colocou em um prato. Retirou os ovos e os colocou em uma tigela. Então pegou o café com uma concha e o colocou em uma caneca.

Virando-se para ela, perguntou: Querida o que você está vendo? Cenouras, ovos e café, ela respondeu.
Ele a trouxe para mais perto e pediu-lhe para experimentar as cenouras.
Ela obedeceu e notou que as cenouras estavam macias.
Ele então, pediu-lhe que pegasse um ovo e o quebrasse.
Ela obedecera e depois de retirar a casca verificou que o ovo endurecera com a fervura. Finalmente, ele lhe pediu que tomasse um gole do café.
Ela sorriu ao provar seu aroma delicioso.

Ela perguntou: o que isto significa, pai? Ele explicou que cada um deles havia enfrentado a mesma adversidade, a água fervendo, mas que cada um reagira de forma diferente. A cenoura entrara forte, firme e inflexível. Mas depois de ter sido submetida a água fervendo, ela amolecera e se tornara frágil. Os ovos eram frágeis. Sua casca fina havia protegido o liquido interior. Mas após terem sido colocados na água fervendo, seu interior se tornou mais rijo. O pó de café, contudo, era incomparável. Depois que fora jogado na água fervente, ele havia mudado a água.

Qual deles é você? Perguntou o pai a sua filha. Quando a adversidade bate a sua porta, como você responde? Você é uma cenoura, um ovo ou um pó de café? Você é como a cenoura que parece forte, mas com a dor e a adversidade você murcha e se torna frágil e perde a sua força? Será que você é como o ovo, que começa com um coração maleável, mas depois de uma adversidade, você se torna mais difícil e duro? Sua casca parece a mesma, mas você está mais amargo e obstinado, com o coração e o espírito inflexíveis? Ou será que você é como o pó de café, que muda a água fervente, a coisa que está trazendo a dor, para conseguir o Máximo de seu sabor? SEJA COMO O PÓ DE CAFÉ, MUDE A ADVERSIDADE EM ALGO POSITIVO!

AUTOR DESCONHECIDO